Serviço de Animação Litúrgica Sal Acompanhe-nos:
Facebook
Telefone: (17) 3512-9014
Skype: salliturgia
liturgia@liturgia.pro.br

cruz
 
 
PÁGINA INICIAL  |  QUEM SOMOS  |  ARTIGOS SERGINHO VALLE  |  PEDAGOGIA DO MÊS  |  DIRETÓRIO LITÚRGICO  |  COMUNICAÇÕES & NOTÍCIAS  |  FALE CONOSCO
 
 

XVII - 2017

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

E-book's

Pastoral Litúrgica, uma proposta um caminho

Para adquirir este ou outros e-book's, acesse a central do assinante e faça o seu pedido

Avisos

NOVEMBRO

Informamos que todas as propostas de NOVEMBRO de 2017 já estão disponíveis. 

Para fazer seu pedido ou renovação, digite seu código e senha na restrita , do lado esquerdo do site. Se ainda não tem código e senha clique na frase AINDA NÃO TEM CADASTRO, CLIQUE AQUI.

ASSINATURA ANUAL = R$ 95,00
ASSINATURA SEMESTRAL = R$ 50,00
PROPOSTA AVULSA = R$ 5,00
EVANGELHO DIÁRIO = R$ 5,00 p/mês
LIVRO E-BOOK = 10,00
PROPOSTAS ESPECIAIS ( conf. preço no formulario de pedido)

BANCOS para depósito
Itaú: ag 0792; cc 39500-6
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7
CEF: ag 0631; cc 6080-0 (se o pg for com Casa Lotérica informar horário)
Santander/Real: ag 3311; cc 01.008075-9


Há também a  opção do Boleto Bancário. Se optar por ele, faça seu pedido e aguarde , enviaremos em seu e-mail.

 
SAL - Serviço de Animação Litúrgica
http://www.liturgia.pro.br/site/
Fonefax: (17) 3512-9014
 

 

 


 

 

 

 

veja todos

Músicas

Para obter a letra da música, digite no campo a seguir o número da música sugerido na proposta de cada semana.


veja todas

 

 
O Espírito Santo na Liturgia
09 de setembro de 2015

Espírito Santo na Liturgia

 
Inicio pedindo desculpas pelo título: genérico demais. É assunto para uma enciclopédia litúrgica, dada a dimensão de textos, tratados e considerações teológicas sobre a ação do Espírito Santo na Liturgia.
Meu professor de Liturgia Oriental, Padre Daniel Gelsi, um dos professores mais sábios que tive na vida, definia a ação do Espírito Santo na Liturgia com a imagem de um “corifeu”. Quem é o corifeu? Os dicionários descrevem o corifeu como o regente do coro nas tragédias gregas; a pessoa que aconselha, fomenta ou incita o personagem a assumir uma atitude diante de um momento da vida. A figura e a atividade do corifeu facilitam nossa compreensão sobre a atividade do Espírito Santo, nas celebrações litúrgicas. É o Espírito Santo quem conduz a celebração, que garante a veracidade do culto celebrativo e, através da Liturgia, “aconselha”, no sentido que inspira cada celebrante a sintonizar sua vida com o ato celebrativo do qual participa em vista de viver aquilo que celebra e celebrar o que vive.
É do conhecimento de todos o axioma da Teologia Litúrgica: sem o Espírito Santo não existe Liturgia. É uma verdade. De onde a interrogação sobre a veracidade de muitas celebrações litúrgicas, especialmente aquelas Eucarísticas, feitas de modo improvisado, sem invocar a ação do Espírito Santo (epíclesis) em Orações Eucarísticas, proclamadas ao gosto e aos sentimentos do padre e não da Igreja, com improvisações nem sempre felizes.
Mas, não é somente na Oração Eucarística que o Espírito Santo age, na ação celebrativa. Uma das fórmulas de acolhimento celebrativo confessa a “comunhão do Espírito Santo” na totalidade do momento celebrativo: “a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo.” Compreende-se a assembléia litúrgica não como “platéia”, mas o “corpo de místico de Cristo” que congrega os celebrantes num culto “em Espírito e Verdade”, ou seja, no Espírito Santo de Deus e na Verdade, que é Jesus.
Também a Liturgia da Palavra acontece pela e na ação do Espírito Santo, enquanto inspirador para acolher e compreender a Palavra divina na vida de cada celebrante. Na Liturgia da Palavra, o Espírito Santo atualiza a Palavra para o hoje da comunidade, para o hoje da vida de cada celebrante. Por isso, é importante que a Palavra seja bem proclamada, como é muito importante que a comunidade e cada celebrante se disponha a acolher a Palavra divina em sua vida, oferecendo condições para que o Espírito Santo possa agir na vida pessoal. Ainda na Liturgia da Palavra, é preciso compreender que a homilia também é feita (deveria) na ação do Espírito Santo. Mas, isto não significa improvisação — como se o Espírito Santo mantivesse uma linha direta com o padre, no momento da homilia —. A homilia é fruto da ação do Espírito Santo que se faz presente no modo como o homiliasta prepara a homilia, deixando que a Palavra fale em sua vida no decorrer da semana, por exemplo, não somente do ponto de vista teórico, mas também vivencial. Por ser um momento de atualização na vida da comunidade e de cada celebrante, nenhum homiliasta tenha a pretensão de considerar-se apenas bom comunicador; é preciso que se considere mais que isso, se considere um facilitador do Espírito Santo agindo na vida dos celebrantes.
Um dos momentos mais solenes da ação do Espírito Santo acontece pela atividade “epiclética” da Igreja. Epíclesis é uma palavra de origem grega, que significa invocação. Esta acontece de modo especial na proclamação da Oração Eucarística, quando a Igreja invoca o Espírito Santo duas vezes e para duas finalidades diferentes. Na primeira, invoca o Espírito Santo para consagrar os dons do pão e do vinho em Corpo e Sangue do Senhor e, na segunda invocação epiclética — esta sem a imposição das mãos —, para que a Igreja de Cristo seja congregada num só Corpo e num só Espírito. Por se tratar da invocação do Espírito divino, a Oração Eucarística acontece no mais profundo e total silêncio. Por ser momento especial e único do Espírito Santo, uma vez que o silêncio é o local da manifestação do Espírito divino, qualquer fundo musical, por exemplo, é intromissão indevida e de muito mal gosto, do ponto de vista da actio liturgicae.
Nos demais sacramentos também existe o rito epiclético, pelo qual se invoca o Espírito Santo, com o gesto da imposição das mãos sacerdotais. Assim acontece na Unção dos Enfermos, na absolvição dos pecados, na ordenação sacerdotal, na bênção matrimonial, no Batismo e na Crisma. Todos os sacramentos invocam o Espírito Santo e conferem o Espírito de Deus aos celebrantes. Por isso, quando comungamos a Eucaristia, comungamos também o Espírito Santo de Deus, quando fomos batizados, fomos mergulhados no Espírito Santo; na Crisma, fomos confirmados no Espírito Santo. Na Unção dos Enfermos e na Penitência somos fortalecidos e perdoados pela ação do Espírito Santo. No Matrimônio, invoca-se o Espírito Santo para que o casal, impregnados do amor (caridade) divino “permaneçam fiéis na aliança conjugal”. Não existe sacramento sem a presença atuante do Espírito Santo.
A Igreja conserva o costume da imposição das mãos sacerdotais para invocar o Espírito Santo e como gesto de transmissão do Espírito Santo. Outra característica que revela a ação do Espírito Santo no momento celebrativo é o silêncio. O silêncio é o espaço onde se move o Espírito Santo. Por isso, a Liturgia da Palavra (em todas as celebrações) acontece no silêncio, não somente para ouvir a Palavra, mas para que o Espírito Santo possa agir no coração de cada celebrante. Isto torna estranho no uso de folhetos, com os celebrantes distraindo-se (barulho mental) com a leitura pessoal, em vez de ouvir silenciosamente a proclamação da Palavra, além da já referida desastrosa invasão de fundos musicais na consagração Eucarística. O mesmo se diga em momentos silenciosos da celebração que são invadidos por orações (inclusive pela secreta do sacerdote, por exemplo, da antes da comunhão). Silêncio tolhido por músicas ou mensagens ou, pior que isso, pelos avisos paroquiais depois da comunhão, quando se silencia para se orar no Espírito e para permitir ao Espírito orar silenciosamente dentro do comungante.
Inconcebível, do ponto de vista teológico-litúrgico, é fazer a imposição das mãos na Unção dos Enfermos com palavras ou orações suplicando curas. Exceto no Sacramento da Penitência, toda imposição das mãos é silenciosa. Muitas celebrações extra-sacramentais, como noites de louvor, com ênfase na invocação do Espírito Santo são barulhentas demais e correm o risco de confundir reações emocionais com acolhimento ou ação do Espírito Santo. O que vale para a Liturgia vale para as celebrações da Palavra, Adoração, Vigílias, louvores...
Uma questão igualmente importante é refletir os “sinais” da ação do Espírito Santo na comunidade, como fruto das celebrações litúrgicas. Não milagres, curas ou coisas do gênero, como muito se difunde, quase reduzindo a isso a eficácia do Espírito Santo. Penso nos sinais do crescimento fraterno, no interesse de uns pelos outros, na preocupação em atender os que se sentem colocados à margem, na importância que a comunidade dá aos doentes... é no amor fraterno que o Espírito Santo reflete na comunidade aquilo que foi celebrado na Liturgia. O Espírito Santo é impedido de agir onde existe indiferença para com o projeto divino e apatia fraterna para com os necessitados. “O mundo é incapaz de receber” o Espírito Santo, diz Jesus (Jo 14,17) porque está indiferente a Deus e é vesgo aos precisados de socorro. Se nas celebrações da comunidade acontece a atuação do Espírito divino e este mesmo Espírito não tem condições de motivar atitudes cristãs, então é preciso celebrar com mais silêncio para se ouvir e perceber com mais atenção a ação do Espírito Santo. A alegria celebrativa não se encontra nos exageros de canções, de súplicas ou na multiplicação de gestos, mas no acolhimento do Espírito Santo de Deus.
Serginho Valle

 

Download
Tags: Espírito Santo, imposição das mãos, silêncio

VOLTAR