Serviço de Animação Litúrgica Sal Acompanhe-nos:
Facebook
Telefone: (17) 3512-9014
Skype: salliturgia
liturgia@liturgia.pro.br

cruz
 
 
PÁGINA INICIAL  |  QUEM SOMOS  |  ARTIGOS SERGINHO VALLE  |  PEDAGOGIA DO MÊS  |  DIRETÓRIO LITÚRGICO  |  COMUNICAÇÕES & NOTÍCIAS  |  FALE CONOSCO
 
 

XVII - 2017

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

E-book's

Pastoral Lit˙rgica, uma proposta um caminho

Para adquirir este ou outros e-book's, acesse a central do assinante e faça o seu pedido

Avisos

DEZEMBRO

Informamos que todas as propostas de DEZEMBRO de 2017 já estão disponíveis. 

Para fazer seu pedido ou renovação, digite seu código e senha na restrita , do lado esquerdo do site. Se ainda não tem código e senha clique na frase AINDA NÃO TEM CADASTRO, CLIQUE AQUI.

ASSINATURA ANUAL = R$ 95,00
ASSINATURA SEMESTRAL = R$ 50,00
PROPOSTA AVULSA = R$ 5,00
EVANGELHO DIÁRIO = R$ 5,00 p/mês
LIVRO E-BOOK = 10,00
PROPOSTAS ESPECIAIS ( conf. preço no formulario de pedido)

BANCOS para depósito
Itaú: ag 0792; cc 39500-6
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7
CEF: ag 0631; cc 6080-0 (se o pg for com Casa Lotérica informar horário)
Santander/Real: ag 3311; cc 01.008075-9


Há também a  opção do Boleto Bancário. Se optar por ele, faça seu pedido e aguarde , enviaremos em seu e-mail.

 
SAL - Serviço de Animação Litúrgica
http://www.liturgia.pro.br/site/
Fonefax: (17) 3512-9014
 

 

 


 

 

 

 

veja todos

Músicas

Para obter a letra da música, digite no campo a seguir o número da música sugerido na proposta de cada semana.


veja todas

 

 
Liturgia e fim dos tempos
30 de outubro de 2017

Liturgia e fim dos tempos

A Liturgia reserva as últimas celebrações do Ano Litúrgico para celebrar e refletir sobre o final dos tempos. Mesmo que a Palavra fala de momentos catastróficos, a linguagem é apocalíptica, e isso tem causado incompreensões e até mesmo temor. Uma aproximação equivocada, do senso comum, por relacionar a linguagem apocalíptica a acontecimentos trágicos, extremamente catastróficos e, por isso, destruidores.
 
Apocalipse é uma palavra de origem grega que significa “revelação”. Disso se conclui que a linguagem apocalíptica é uma linguagem reveladora, não no sentido de anunciar o futuro, mas de chamar atenção à vigilância de cada um para não perder a fé, a esperança e a alegria no momento que as seguranças da terra começarem a desaparecer. A Liturgia, portanto, em suas celebrações não anuncia o terror da destruição, mas celebra a força da esperança, apoiada na virtude da vigilância. Em nenhum momento, a Liturgia profetiza de catástrofes, nas celebrações de fim de ano. Ao contrário, continua sendo profeta e promotora da esperança em Deus.
 
Mas, vamos colocar uma questão: — esta esperança pode diminuir ou até mesmo desaparecer devido à desconfiança pessoal? Sim! Disso se entende o empenho da Liturgia em manter a esperança através da vigilância. Vamos considerar como isso acontece a partir de algumas considerações de celebrações do Ano A.
 
 
A santidade como realização da vida
A santidade divina é a primeira proposta apocalíptica celebrada na Liturgia. É a celebração de uma revelação festiva e repleta de esperança: todo homem e mulher são chamados a participar da santidade divina. É a comunhão de todos os santos, que professamos no Credo da Igreja e celebrada na Solenidade de todos os santos e santas, em dia 1º novembro. Por motivos pastorais, aqui no Brasil, é transferida para o primeiro Domingo depois da data.
 
Minha reflexão considera a proposta pastoral pedagógica do Ano Litúrgico. Neste caso, antes de celebrar a morte cristã, no dia seguinte (2 de novembro), a pedagogia litúrgica celebra o destino da vida: viver e participar da santidade divina. Antes de refletir sobre a morte, a Liturgia, pedagogicamente, mostra que somos destinados a ser santos e santas. A morte não é o fim de tudo, não é o fim da vida, mas é uma passagem para participar da vida plena que acontece na santidade divina, na comunhão de todos os santos e santas.
 
Por isso, as duas celebrações — de Todos os Santos e dos Fiéis Defuntos — do ponto de vista pedagógico, estão próximas porque indicam duas realidades da vida humana: a realidade da morte e a realidade do destino da vida humana. Entende-se que a celebração do dia 2 de novembro celebra a fé e a esperança na "comunhão dos santos", como professamos no Credo, sustentando-se na Palavra desta celebração que promete e garante a vida eterna para quem viver em Jesus Cisto. É um contexto celebrativo marcado essencialmente pela esperança e pela fé na vida eterna.
 
Além da fé e da esperança, existe também a já citada “comunhão dos santos”, pelo qual nós, como Igreja que vive na terra, intercedemos à Igreja que vive no céu, que acolha aqueles que partiram desta vida na esperança do repouso eterno. Existe esta “comunhão dos santos” que, em outras palavras, pode ser denominada como “comunhão de batizados”, aqueles que foram lavados na água do Batismo e, por receberem a filiação divina, tornam-se santos e santas. A segunda dimensão é que os santos que vivem na terra (os batizados) intercedem para que os falecidos participem da santidade plena da vida divina. Isso não é feito somente no dia 2 de novembro, mas diariamente, em todas as Missas celebradas na Igreja.
 
A celebração dos santos e santas, para finalizar, não é, apenas, um convite para refletir sobre a santidade, mas principalmente entender a santidade como realização da vida humana, algo que nem a morte pode destruir, porque somos redimidos no Sangue do Cordeiro vitorioso e revestidos com a veste dos eleitos.
 
 
Vamos ao encontro do Senhor! Esperança e vigilância
No contexto apocalíptico que marca as celebrações da conclusão do Ano Litúrgico — apocalíptico como revelação do destino do homem — encontra-se também o convite da Liturgia para caminhar ao encontro do Senhor. Este caminhar ao encontro do Senhor acontece em duas estradas importantíssimas, do ponto de vista da espiritualidade cristã: a estrada da esperança, que é alimentada pela fé, e a estrada da vigilância, alimentada pela caridade, pelo amor. Isto se faz presente nas celebrações do 32DTC-A e 33DTC-A.
 
Dois enfoques ajudam a contextualizar a celebração do 32DTC-A. O primeiro convida a se deixar encontrar por Deus e acolher a Sabedoria divina na vida pessoal. Ao se dizer que o enfoque celebrativo do 32DTC-A consiste em se de deixar encontrar por Deus, a Liturgia está convidando a viver na vigilância, porque Deus é quem nos procura, que vem ao nosso encontro, presente na expressão: “O noivo está chegando. Ide ao seu encontro”. Aqui está uma versão da linguagem apocalíptica: a Liturgia revelando um tempo especial que consiste na vinda do “noivo”, isto é, a 2ª vinda de Jesus Cristo. Por isso, não se pode ficar dormindo, é preciso viver na vigilância.
 
O segundo enfoque convida, justamente, a viver na vigilância com a alegria e com a expectativa de participar de um banquete de amor com Deus, pois nele está a fonte da vida plena. Vigilância, na proposta das celebrações de fim de Ano Litúrgico, não significa viver aprisionado, bloqueado ou atemorizado com os acontecimentos. Ao contrário disso, a proposta é viver como quem se prepara para uma festa. Como se sabe, pela experiência da vida, a preparação para uma festa, em si, gera uma expectativa de alegria. Vigilância cristã é um tempo alegre de quem se prepara para celebrar a festa da santidade divina.
 
O 33DTC-A apresenta ainda uma outra característica da vigilância cristã: a atividade cotidiana do trabalho. Vigilância cristã não é inatividade, mas “viver a vida” cotidiana trabalhando pelo pão diário para si e para os outros. A imagem simbólica dessa atitude vigilante está na 1ª leitura do 33DTC-A: o elogio à mulher que trabalha e administra sua casa para o bem de todos. Um modo de dizer que a vigilância cristã é uma atitude sábia de quem teme a Deus e se dedica diligentemente ao trabalho cotidiano. 
 
É pelo trabalho que os talentos são multiplicados, como diz o Evangelho do 33DTC-A. Talentos não no sentido do senso comum de ter dotes especiais, mas talento no sentido evangélico, que significa a vida. Vigilante é aquele que produz mais talentos, isto é, produz mais vida. Não nascemos para enterrar a vida, como fez o servo inútil, mas para multiplicar a vida. Quem assim vive, vive vigilante e terá a recompensa final.
 
 
Honra e glória a Cristo Rei do Universo
 
O último elemento das celebrações de fim do Ano Litúrgico é a Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo. É o coroamento final do discipulado. Quem caminhou com Jesus e nas estradas do Evangelho, no decorrer de todo um período de tempo — o Ano Litúrgico — no final se aproxima do trono divino para adorar, glorificar e louvar. O motivo disso: o reconhecimento que Jesus é o Senhor, o nosso Deus, aquele no qual vivemos, nos movemos e somos.
 
Voltamos, assim, ao início da nossa reflexão: a meta da vida humana consiste em se deixar encontrar por Deus. E, quando Deus nos encontra, propõe-nos o caminho de uma vida que se traduz em adoração, em louvor e em discipulado. Quem segue este caminho ouvirá, no encontro definitivo com o Senhor, Rei do Universo, o Pastor eterno: “vinde, benditos do meu Pai, para tomar posse do lugar que vos foi preparado”.
 
Serginho Valle
Outubro de 2017
 
Download
Tags: liturgia e fim dos tempos

VOLTAR