Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
[email protected]


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXII - 2022

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

Avisos

PROPOSTAS DE DEZEMBRO DE 2022

Comunicamos que :

As propostas de DEZEMBRO/22 já ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar, fazer nova assinatura ou pedidos avulsos
clique em um dos links, lembrando que se já cliente, adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 

PROPOSTA AVULSA (UMA): 
Clique aqui

PROPOSTA (DOIS 1ºs DOMINGOS):
Clique aqui

PROPOSTAS (DOIS UTMS DOMINGOS): 
Clique aqui

CELEBRAÇÃO PENITENCIAL ADVENTO
Clique aqui

NATAL DO SENHOR
Clique aqui

Ou

FAÇA PEDIDO POR PIX,  DEPÓSITO TRADICIONAL, QR code:

- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:
 
 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*[email protected] ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
   

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Esperamos entrar na vida eterna
23 de outubro de 2012

Esperamos entrar na vida eterna 

Novembro é um tempo que as celebrações litúrgicas nos levam a pensar na importância da vigilância. Não a vigilância como policiamento para não seremos castigados no final dos tempos, mas, a vigilância como método, como proposta de considerar o caminho que fazemos no cotidiano de nossas vidas, como uma pergunta bem básica: para onde vou, caminhando do jeito que estou caminhando? Queira Deus que a reflexão de cada qual conduza ao bom termo, considerando que está na estrada certa, embora necessite sempre (como é normal) de um esforço maior em busca da perfeição.

Celebrar a vida e jamais a morte
A primeira celebração de novembro é a “Comemoração dos fiéis defuntos”. Como é sabido, como cristãos, nunca celebramos a morte, mas a vitória da vida sobre a morte, na Ressurreição de Jesus. A celebração em comemoração dos fiéis defuntos não cultua a morte, evidentemente, porque não existe nenhuma possibilidade para um cristão cultuar a morte. Nós celebramos a vida divina plantada em nós pela Palavra, qual semente semeada pelo Bom Semeador Jesus, como aprendemos do Evangelho. Nós sempre celebramos a vida e, na celebração em sufrágio dos fiéis defuntos, dirigimos nossa oração ao Pai por todos os irmãos e irmãs que já partiram desse mundo, para que sejam purificados de todos os pecados e de todas as manchas que os pecados promoveram em suas vidas (as penas), para que possam participar da vida eterna, com Deus.

A celebração dos Fiéis Defuntos introduz pedagogicamente os celebrantes na dimensão escatológica, como é própria do mês de novembro. Também a celebração de Todos os Santos e Santas encontra-se nesta mesma dimensão. Se é verdade que a morte define a finitude da vida, nossa fé indica que nosso destino é a vida eterna, na qual se entra para participar plenamente da santidade divina. Neste ano de 2012, de modo particular, a celebração da solenidade de Todos os Santos e Santas inspira-se na última bem-aventurança, que proclama a alegria interior em quem coloca toda a confiança no Senhor, apesar das perseguições e incompreensões por causa da fé. Toda santidade, aliás, passa por esse caminho num momento da sua história. A santidade, portanto, não está desprovida da provação na fé.

É também iluminados no contexto da fé que propomos celebrar o 32º Domingo do TC, em consonância com o “Ano da Fé”, iniciado em outubro. Nossa reflexão considera como a Palavra de Deus promove a fé em duas viúvas e nos Doutores da Lei. De um lado, a fé favorece o crescimento da generosidade e, do outro, a religião é usada para oprimir quem é pobre, como faziam os doutores da Lei. Não se pode instrumentalizar a fé por um motivo muito simples: toda instrumentalização da fé é, em certo sentido, uma traição ao projeto divino, que sempre busca o bem do outro e não sua exploração. A fé é um atitude interior que produz liberdade e acolhimento da vontade divina.

Final dos tempos
Os dois últimos Domingos de novembro concluem o Ano Litúrgico – B e, como é natural, no contexto do projeto pedagógico do Ano Litúrgico, os dois últimos Domingos celebram a fé no final dos tempos. Tudo irá terminar e somos alertados a viver na vigilância, caminhando ao encontro do Senhor que virá em sua 2ª vinda. O melhor modo de nos colocar diante dos acontecimentos do final dos tempos é fortalecendo a vida espiritual e criar resistências espirituais diante de tudo que possa ameaçar a fé e a esperança de participar eternamente da vida divina (33DTC-B). Dessa forma, não cairemos na tentação de nos tornar juízes do próprio Deus, como fizeram Pilatos e aqueles que condenaram Jesus, proclamado no Evangelho da celebração de Cristo Rei. Trata-se da cena do poder humano e terreno, representado por Pilatos julgando o poder divino e fazendo de Jesus réu da humanidade. O poder de Pilatos se manifesta pela ameaça à vida e o poder de Jesus pela defesa da vida (34DTC-B). O fiel da balança, em última instância, será a vida: se a tivermos cultivado, entraremos na posse da vida eterna e viveremos para sempre em Deus. 

Serginho Valle

 

Download
Tags: finados, Todos os santos e santas, Vida eterna, morte, final dos tempos

VOLTAR