Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
[email protected]


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXII - 2022

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

Avisos

PROPOSTAS DE DEZEMBRO DE 2022

Comunicamos que :

As propostas de DEZEMBRO/22 já ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar, fazer nova assinatura ou pedidos avulsos
clique em um dos links, lembrando que se já cliente, adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 

PROPOSTA AVULSA (UMA): 
Clique aqui

PROPOSTA (DOIS 1ºs DOMINGOS):
Clique aqui

PROPOSTAS (DOIS UTMS DOMINGOS): 
Clique aqui

CELEBRAÇÃO PENITENCIAL ADVENTO
Clique aqui

NATAL DO SENHOR
Clique aqui

Ou

FAÇA PEDIDO POR PIX,  DEPÓSITO TRADICIONAL, QR code:

- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:
 
 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*[email protected] ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
   

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Creio na Vida Eterna!
29 de outubro de 2013

Estamos chegando nas últimas celebrações do Ano Litúrgico do “Ciclo C”, quando lemos o Evangelista São Lucas. Como é de nosso conhecimento, as últimas celebrações nos remetem para o tempo escatológico, o final dos tempos, para o encontro definitivo com o Senhor. Isso significa que nossa vida terá um fim, que a morte física é inevitável, mas não é o final de nossas vidas, pois continuaremos a viver em Deus, como professamos no Credo: “creio na ressurreição da carne e na vida eterna”. 

A primeira celebração deste mês, em “comemoração dos fiéis defuntos” faz um apelo sereno a todos nós, os vivos, para nos manter firmes na esperança do Senhor: “Espera no Senhor e tem coragem, Espera no Senhor!” Em tom de esperança, nossa proposta celebrativa chama atenção para a solidariedade espiritual e para a fé esperançosa. Solidariedade espiritual, de quem reza pelos irmãos e irmãs que morreram, principalmente os mais esquecidos e, a fé esperançosa em quem não teme a morte, porque crê no Deus da vida. Com estes dois componentes, a realidade da morte torna-se menos ameaçadora e mais cheia de esperança de um dia participar plenamente da vida divina. 

Logo no dia seguinte a “finados”, a Igreja celebra a santidade da Igreja em seus filhos que comungam plenamente a glória divina em “Todos os santos e santas”. É uma grande celebração de ação de graças, reconhecendo que Deus derrama sua santidade em nossa Igreja e acaricia com ela tantos irmãos e irmãs, que já vivem com ele, no céu. Nossa proposta celebrativa enfoca o fato de que todos somos chamados a participar da santidade divina; todos somos chamados a ser santos e santas. O caminho para se chegar à comunhão com Deus é trilhado na fé e na esperança e, necessariamente, passa pelos degraus das bem-aventuranças. A celebração da santidade, presente nos filhos e filhas da Igreja, tem um colorido especial neste ano, dado o contexto do “Ano da Fé”. A santidade dos filhos e filhas da Igreja é a grande proclamação da sua fé, da fé que venceu as barreiras do tempo e do mundo e se eterniza pela participação plena na santidade divina. 

Em busca da ressurreição 
Depois das duas primeiras celebrações, que nos remetem ao fim da vida humana (finados) e ao desejo divino de participar de sua santidade (todos os santos e santas), a Liturgia celebra a fé na ressurreição da carne; a nossa ressurreição. No 32DTC-C, a Igreja lembra que a teologia da Ressurreição teve um longo e lento processo no Antigo Testamento. A 1ª leitura e o salmo responsorial desta Missa são páginas que ilustram tal amadurecimento teológico, culminando com o ensinamento de Jesus, no Evangelho e, na 2ª leitura, Paulo explica como viver para ressuscitar e participar da eternidade divina. É um grande convite para renovar a esperança na Ressurreição, para que a fé seja alimentada com a confiança e com a certeza de que não somos destinados a este mundo. Trata-se de uma profecia muito forte contra aquelas promessas que colocam os horizontes da vida unicamente no contexto terreno. 

Como podemos participar da santidade divina, em meio a tantos apelos para caminhar nos caminhos do mundo? A resposta está na celebração do 33DTC-C, com uma frase que resume bem toda a celebração: “É permanecendo firmes que irás ganhar a vida!” No contexto do “Ano da Fé”, a reflexão do 33DTC-C, considerará o futuro — não como tempo abstrato e sem esperança e, por isso, de medo — mas como tempo de esperança, marcado pela fé. Uma celebração também para considerar o tempo presente, para avaliar as agressividades que os cristãos sofrem, seja do ponto de vista físico, psíquico e moralmente. 

Conclusão do Ano da Fé 
Finalmente, no último Domingo de novembro a solenidade de “Cristo Rei”, que encerra o “Ano da Fé” contemplando a Cruz e a oração da humanidade, na boca do ladrão; uma oração tão poderosa, capaz de “roubar” o Reino do Senhor para todos nós: “Senhor, lembra-te de mim quando estiveres no teu Reino”. Chegamos ao final do Ano Litúrgico coroando nossa caminhada no discipulado, através da pedagogia própria deste Ano Litúrgico, celebrando a fé iluminada pelo Evangelho de Lucas, proclamando uma vez mais o Reinado de Jesus Cristo. Com esta celebração, damos graças a Deus pela conclusão deste Ano Litúrgico e pelo encerramento do “Ano da Fé”.

Serginho Valle

 

Download
Tags: Ano da Fé, Vida eterna, ressurreição da carne, escatologia

VOLTAR