Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
liturgia@liturgia.pro.br


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXII - 2022

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

E-book's

Pastoral Lit├║rgica, uma proposta um caminho

Para adquirir este ou outros e-book's, acesse a central do assinante e faça o seu pedido

Avisos

PROPOSTAS DE JULHO DE 2022

Comunicamos que :

As propostas de JULHO/22 já ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar ou fazer nova assinatura,
clique em um dos links, lembrando que para RENOVAÇÃO (caso saiba), adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 
Ou, Renove por PIX,
depósito tradicional, QRcode:    
 
- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:

 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*liturgia@liturgia.pro.br ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
   

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Pedagogia de junho 2015
30 de maio de 2015

Pedagogia de junho 2015

                Junho se apresenta com celebrações que incentivam seus celebrantes a colocarem total confiança no Senhor, proclamando-o como o libertador da vida humana. Aquele que liberta do mal e do pecado, aquele que liberta de prisões. Liberta para propor novas estradas e novos caminhos. A condição para isso acontecer é renovar em cada celebração a Aliança de vida feita com o próprio Senhor (Corpus Christi).
Em todas as Missas proclamamos na Eucaristia esta renovação da nova e eterna aliança, realizada no Sangue de Jesus Cristo. Moisés, de modo figurativo, celebrou a primeira aliança com Deus servindo-se do sangue de animais, Jesus celebrou a Aliança definitiva entre a humanidade e Deus. Por isso, não se pode considerar a Eucaristia unicamente do ponto de vista devocional, mas como celebração que renova os compromissos de Aliança, selada no Sangue de Jesus Cristo.
 
A força libertadora de Deus
No Senhor ponho toda minha esperança! É com essa certeza que a Igreja retoma os Domingos do Tempo Comum, a partir do 10º Domingo, do Ano B. Uma celebração que evidencia como a luta contra o mal sempre está estará presente na vida humana. O mal é sorrateiro, rasteja-se aos nossos pés, mas pode morder o calcanhar para tirar nosso equilíbrio existencial. Jesus é apresentado como aquele que expulsa o mal da terra e da vida humana. Eis porque, o reinício do Tempo Comum é iluminado por uma celebração que considera a reconciliação divina no sacramento da Eucaristia.
Diante da proposta de jamais ceder ao mal, porque contamos com a proteção divina, os celebrantes são convidados a Semear sementes de vida nova em todos os terrenos por onde passam! (11DTC-B). Deus é como um agricultor cuidadoso, que cultiva sementes novas no coração de homens e mulheres, sementeiras que reproduzirão vida nova na sociedade. Quem permitir a Deus cultivar suas sementes em seus corações produzirá frutos de vida até mesmo na velhice, canta o salmista. Cada celebrante deverá deixar a celebração deste Domingo com a responsabilidade de ser semeador da Boa Nova do Evangelho para semear sementes da Boa Nova com os mesmos pequenos gestos de todo semeador e com a mesma confiança de que o Agricultor Divino saberá cultivar e fará produzir frutos.
Fazer-se semeador de vida nova sem medo, sem nenhum tipo de covardia, mesmo diante de tempestades e de grandes desafios, principalmente quando precisamos passar para a outra margem. Esta é a pergunta de Jesus, logo depois de ter acalmado a tempestade: "Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?" (12DTC-B). O simbolismo do mar, no olhar do homem bíblico, é um excelente modo para entrar no mistério da Palavra deste Domingo. É como uma porta que se abre para compreender o poder da Palavra divina capaz de sossegar o poder da tempestade e suavizar a força de ventos contrários. É um convite, para que os celebrantes não se deixem abater pelo medo diante das tribulações e das tempestades que acontecem na vida, mas as enfrentem com coragem, pois contam com a ajuda divina da presença de Jesus, que com sua Palavra acalma o mar e todas as tempestades existenciais.
 
Amor e libertação
Junho celebra ainda duas celebrações para cantar a força amorosa e libertadora de Deus na Igreja e na sociedade. Uma delas recordando como o amor divino quer habitar em nossos corações (SCJ). Deus se manifesta amoroso, qual pedagogo que conduz seus filhos e filhas nos caminhos da vida plena; vida derramada do lado aberto do Coração de Jesus. Uma celebração para contemplar o amor divino e para cantar suas maravilhas em todas as partes da terra. Um convite, igualmente presente na celebração, para começar a se preparar para o "Ano Santo da Misericórdia", como a primeira luz que se acende, em vista de sua preparação. Uma luz a ser acesa pela contemplação do Coração misericordioso de nosso Deus, especialmente presente e simbolizado no Coração de Jesus.
A outra celebração, para fazer memória de que O Senhor nos liberta de todas as prisões é a de São Pedro e São Paulo. Diante da cultura da morte, que prende para matar e impedir o progresso evangelizador, a Igreja conta com a força da oração insistente e com a confiança da atividade libertadora de Deus. Sem isso, a Igreja não pode ser construída na rocha, que é Jesus, que oferece as chaves do Reino a Pedro para tornar a Igreja libertadora de todas as escravidões que aprisionam vidas.
 
 
Concluindo
A pedagogia litúrgica que percebemos nas celebrações de junho, neste ano de 2015, conduzirá os celebrantes a colocar sua confiança em Deus diante dos desafios do mal e da maldade, diante dos desafios e das tempestades que a vida propõe. Uma segunda proposta das celebrações consiste no incentivo para que os celebrantes seja semeadores do projeto divino em todos os momentos e em todos os lugares.
(Serginho Valle)
 
Download

VOLTAR