Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
liturgia@liturgia.pro.br


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
PÁGINA INICIAL  |  QUEM SOMOS  |  ARTIGOS SERGINHO VALLE  |  PEDAGOGIA DO MÊS  |  DIRETÓRIO LITÚRGICO  |  FALE CONOSCO
 
 

XXI - 2021

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

E-book's

Pastoral Lit├║rgica, uma proposta um caminho

Para adquirir este ou outros e-book's, acesse a central do assinante e faça o seu pedido

Avisos

PROPOSTAS SETEMBRO DE 2021

 Comunicamos que 

As propostas de SETEMBRO/21 JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS NO SISTEMA.
 
Se não estiver conseguido acesso é possível que sua assinatura tenha expirado. Fale conosco!!
 
Estamos operando com nova plataforma para BOLETO/CARTÃO: ASAAS. 
 
Temos também a transferencia por PIX.
 
Número PIX: CPF 443.599.189-68.
 
Ou aponte a camera do seu app do BANCO para nosso QR code abaixo:
 
 
QRCode Pix Sal
 
Não esqueça de avisar por e-mail liturgia@liturgia.pro.br 
quando optar pelo QR code. Neste caso, informe seu código de asssinante e seu banco. Qualquer dúvida comunique!
Att.
Ana
 17-35129014
veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
A Pastoral Lit├║rgica na realidade social da Par├│quia
14 de setembro de 2018
Em tempos idos, antes do Concílio Vaticano II, para sermos mais pontuais, não havia Pastoral Litúrgica nos moldes como se entende hoje. Existia, contudo, todo um trabalho de promoção de festas religiosas, como aquelas de padroeiros e da piedade popular, regids pelo calendário litúrgico; muitas e variadas eram as manifestações celebrativas inspiradas na piedade popular: procissões, trezenas, novenas, tríduos... Tais eventos movimentavam a comunidade e, pela religião toda a vida social era tocada. Não se pode deixar de reconhecer que se tratava de uma Pastoral Litúrgica, diferente da de nossos dias, mas eficiente e envolvente, que atingia toda a comunidade. Com a perda da centralidade da paróquia, especialmente em cidades de médio e grande portes, estas festas desapareceram ou foram empurradas para os pátios das paróquias.
Não apenas perderam espaço, muitas delas perderam principalmente o sentido religioso. Exemplo claro é a festa de São João Batista. De festa religiosa passa a ser festa popular, festa folclórica, festa comercial. De São João Batista restou o estandarte como elemento decorativo. São indicativos de que a paróquia, com sua proposta religiosa, deixou a centralidade da comunidade social, como foi um tempo e, em muitos aspectos, perdeu sua influência religiosa especialmente na família.
 
Tudo girava em torno da paróquia
Tempos houve que tudo girava em torno da paróquia. Era a paróquia que preparava as festas, que promovia encontros sociais, que favorecia momentos esportivos ou de lazer e, em muitas circunstâncias, propunha (ou impunha) seu pensamento político e moral. Fazia isso como proposta de valores iluminados pela fé e pela doutrina cristã. Hoje, num mundo marcado pela pluralidade, a proposta da Igreja soa antipática e, para algumas minorias, intrometida e até mesmo inoportuna.
Isto levou a caracterizar a religião, em muitos setores da sociedade, como um freio, obstáculo, especialmente para algumas correntes ideológicas. Transformaram a religião — da qual a paróquia é o símbolo visível na comunidade — em julgadora de juízos morais. Existe todo um movimento social para calar a voz da Igreja e, com ela, fazer desaparecer a paróquia. Isto é realizado com projetos agressivos de toda espécie, seja na mídia e até mesmo na educação escolar.
Diante desse quadro, a pergunta: como a Pastoral Litúrgica pode manter acesa a luz da fé para favorecer o projeto do Reino de Deus na comunidade?
Um questionamento pertinente porque tais ameaças têm produzido pastorais litúrgicas inativas, mornas, limitadas a fazer leituras e cantar nas Missas. Algumas se limitam a criar equipes de celebração que não passam de leitoras de folhetos pré-fabricados. Pastorais Litúrgicas que não pensam a celebração como fonte para iluminar a realidade atual com a luz do Evangelho. Cantam e rezam preces distantes da vida que vivem na comunidade, porque leem a celebração e não a preparam para ser expressão da vida comunitária.
Pastorais Litúrgicas que não reagem com propostas existenciais servindo-se, por exemplo, da piedade popular, de novenas ou tríduos de padroeiros. Simplesmente param, sem criatividade alguma, diante do desafio de propor o discipulado pela piedade popular, por exemplo. Em tempos de pestes e de guerras, antigamente, a piedade popular era motivada com orações, procissões, novenas... favorecia-se a fé, a esperança e a caridade capaz de buscar uma resolução social. E hoje? O que se faz?
 
Ausência dos celebrantes
A perda da centralidade da paróquia na sociedade promoveu uma crise de fé, cujo efeito encontra-se no abandono de fiéis, ou por irem para outra Igreja ou por se tornarem indiferentes aos valores religiosos cristãos. Sem querer colocar toda a culpa na Pastoral Litúrgica, não se desconsidere sua parte no que se refere ao abandono de fiéis. Muitos abandonam a Igreja influenciados negativamente por celebrações mornas, incapazes de tocar a vida, sem mensagem para suas dores, para seus questionamentos, incapazes de propor um caminho, de celebrar a alegria de conquistas, de fornecer argumentos para defender a fé. Celebrações frias esfriam a fé, seja emocionalmente que no modo de compreendê-la. Diante disso, os celebrantes simplesmente se fazem ausentes ou só aparecem quando “precisam” ir a batizados ou a casamentos ou a funerais. Tornam-se indiferentes.
Mas, a paróquia evoluiu tecnologicamente, dizem alguns. De fato, algumas se tornaram altamente tecnológicas, produtoras de planilhas de dízimo e do financeiro; tudo muito bem organizada, inclusive com planilhas das atividades pastorais, mas pastoralmente, pouco celebrativa; celebrações frias. "Não é uma questão de estratégias pastorais — dizia Papa Francisco numa de suas reflexões — mas de tocar a vida; tocar o concreto da existência com as celebrações". Não é uma questão de mudar a linguagem litúrgica, adotando a linguagem de shows ou de promessas milagrosas. É questão de rezar a celebração. Simplesmente e tão somente isso.
O abandono da vida paroquial toca também famílias pautadas na fé cristã que veem seus filhos abandonando a vida da comunidade e se desinteressando pela Igreja. Filhos e filhas frequentam a Igreja até o Crisma, depois abandonam. Por quê? Por que encontram coisas mais atraentes? Ou por que no tempo que estiveram na comunidade não foram cativadas para o Evangelho? Não foram tocadas pela alegria de celebrar a sua fé. Porque faltam celebrações que unam as famílias na oração.
 
Diminuição da participação nas celebrações
A diminuição da participação parece incontrolável, mas o futuro da paróquia depende de como se irá lidar com isso. O que a Pastoral Litúrgica pode fazer e como deverá agir? Este é o questionamento que devemos colocar. Já se caminhou muito em termos de criatividade (até ao exagero, em alguns casos). Agora é preciso pensar a celebração sob outros pontos de vista, mais comunicativa, mais pedagógica, não para transformá-la em catequese ou doutrinamento (longe disso), mas para que toque a vida do celebrante e o sustente no discipulado de Jesus. Incentive e ajude o celebrante a pensar e agir como Jesus. A dinâmica do Ano Litúrgico favorece este aspecto e precisa ser redescoberto como mistagógica.
Liturgistas e pastoralistas precisam sentar juntos para refletir e encontrar caminhos, não com propósitos saudosistas — isto está fora de cogitação — mas, com o propósito de restabelecer a importância religiosa na sociedade valorizando o papel fundamental da paróquia qual protagonista neste projeto. Juntamente com todas as atividades pastorais, a Pastoral Litúrgica tem uma função impar, seja na finalidade de formar espiritualmente o povo, seja na função de formar cada cristão e cristã no discipulado de Jesus à luz do Evangelho.
 
Olhando para o Mestre
Somos discípulos de um Mestre que não teve medo de ser abandonado. Sendo abandonado, não desistiu de sua fé e sua esperança. Colocou sua fé no Pai e abandonou-se na certeza que Deus não o abandonaria. Ele mesmo garante que não nos deixaria órfãos (Jo 14,18). Penso que o primeiro passo, quanto ao futuro da paróquia, depende de como se adequará a este momento histórico ingressando num caminho iluminado pela fé e pela esperança.
O atual pontificado de Papa Francisco pede uma Igreja em saída; Igreja missionária, capaz de deixar o centro para poder habitar nas periferias, com os mais pobres, como fez Jesus. Convite para que a Pastoral Litúrgica não modele as celebrações a partir de mega eventos comunicativos, que enchem os olhos e inflam a emoção, mas se sirva da comunicação simples, como é próprio da comunicação litúrgica, capaz de tocar a vida.
Celebrando de modo simples terá mais condições de propor o sentido da vida na simplicidade, a exemplo de Jesus, a uma sociedade marcada pelo glamour de celebridades. A atração da Liturgia não pode estar no grupo musical (nem sempre ministerial) que irá musicar a celebração, mas naquilo que a celebração propõe e, de modo simples. Isso vale para outros sacramentos, especialmente para as celebrações matrimoniais.
Quanto mais estiver longe do centro, tanto mais será livre e libertada da tentação do poder, da tentação de querer transformar o presbitério em palco, de usar a celebração como trampolim para a fama. Ao contrário, fará do presbitério o espaço do lava-pés, do serviço simples e humilde de onde nasceu a Liturgia. Não se preocupará com paramentos caríssimos, porque tem em mente que Jesus se paramentou com um avental para celebrar a primeira Missa da história. Paramentos bonitos sim, mas atraentes pela beleza da simplicidade.
Longe do centro, longe de se inspirar em efeitos especiais, a Liturgia terá celebrações mais simples e se inspirará na simplicidade para celebrar a fé, promover a esperança e incentivar a caridade; marcas indeléveis da vida do discípulo e da discípula de Jesus Cristo.
Serginho Valle
Setembro de 2018

    

Download
Tags: Pastoral Lit├║rgica, par├│quia, simplicidade celebrativa

VOLTAR