Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
liturgia@liturgia.pro.br


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
PÁGINA INICIAL  |  QUEM SOMOS  |  ARTIGOS SERGINHO VALLE  |  PEDAGOGIA DO MÊS  |  DIRETÓRIO LITÚRGICO  |  FALE CONOSCO
 
 

XXI - 2021

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

E-book's

Pastoral Lit├║rgica, uma proposta um caminho

Para adquirir este ou outros e-book's, acesse a central do assinante e faça o seu pedido

Avisos

PROPOSTAS NOVEMBRO DE 2021

 

Comunicamos que 

As propostas de
NOVEMBRO/21 JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS NO SISTEMA.
 
Se não estiver conseguido acesso é possível que sua assinatura tenha expirado. Fale conosco!!
 
Estamos operando com nova plataforma para BOLETO/CARTÃO: ASAAS. 
 
Temos também a transferencia por PIX.
 
Número PIX: CPF 443.599.189-68.
 
Ou aponte a camera do seu app do BANCO para nosso QR code abaixo:
 
 
QRCode Pix Sal
 
Não esqueça de avisar por e-mail liturgia@liturgia.pro.br 
quando optar pelo QR code. Neste caso, informe seu código de asssinante e seu banco. Qualquer dúvida comunique!
Att.
Ana
Whatsapp 17-35129014
veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Liturgia e o final dos tempos
03 de novembro de 2018
Liturgia e o final dos tempos
 
O dom da vida eterna e a fraternidade
Na conclusão do Ano Litúrgico, as celebrações, pedagogicamente, conduzem os celebrantes a refletir sobre o fim das realidades terrenas, incluindo a vida humana. Esta realidade do fim da vida humana encontra-se na primeira celebração de Novembro, na Comemoração dos fiéis defuntos. Uma celebração que, evidentemente, não celebra a morte humana, mas favorece os celebrantes colocarem-se diante da morte iluminando-os pelo convite de acolher a vida eterna em sua vida humana.
 
A vida eterna, que recebemos de Deus, é um dom que não nos é dado depois da morte, mas que pode ser usufruído desde agora, desde este momento de nossa existência terrena. Um modo para isto acontecer é pela fraternidade, especialmente quando esta realiza o resgate da vida (Missa de Finados), porque a vida que recebemos de Deus é para ser vivida plenamente, eternamente.
 
Também é pedagógica a proposta da Liturgia apresentar a fraternidade como exemplo vivo e histórico de milhões de cristãos, homens e mulheres, na celebração de todos os Santos e Santas. Daqueles que se tornaram bem-aventurados, como diz o Evangelho dessa Missa, por dedicarem suas vidas ao resgate da vida em diferentes formas de fraternidade propostas no Evangelho.  Além disso, a Solenidade de todos os Santos e Santas favorece a compreensão da santidade da vida divina vivida na vida humana. À medida que a vida divina vai se adaptando ao modo humano de viver, esta vai se tornando humanamente eterna, imortal.
 
Isto faz compreender que a vida humana acolhe a dinâmica da vida divina e é santificada por este acolhimento. A presença da vida divina na vida humana acende na pessoa o olhar divino, tornando-o olhar fraterno para com todos. Olhar que sempre valoriza a vida, como é o próprio do olhar divino.
 
A santidade é a vida divina vivendo na vida humana; dom recebido no Batismo. Tanto é, que a vida divina habita em nós tornando-nos Templos do Espírito Santo (1Cor 6,19). Mas, tem um detalhe importante. Para isso acontecer existe a necessidade da colaboração humana, como por exemplo, o cultivo da confiança e da esperança. Estamos na dimensão da fé.
 
A Liturgia do 32DTC-B incentiva este cultivo com o exemplo de duas pobres viúvas, as mulheres mais marginalizadas no contexto social dos tempos Bíblicos. Nelas, a confiança e a esperança se traduzem pela partilha e pela doação. A fraternidade acontece pela partilha e pela doação e, para isso, a necessidade de dar daquilo que se tem para viver em total confiança a Deus. Confiar em Deus e esperar em Deus é aceitar s desafios diante dos necessitados. É o grande desafio que a Liturgia coloca diante da cultura marcada pelo egocentrismo.
 
 
A imortalidade da vida, primazia do Reino
Outra proposta pedagógica da Liturgia, além de dar sentido à vida pela fraternidade, é aquela de situar os celebrantes diante da finitude de tudo. Um dia, diz a Sagrada Escritura, tudo acabará. É um modo de reafirmar a fé na eternidade divina: só Deus permanece e permanecerá para sempre, tudo o mais passa e acabará. Disto o ensinamento de Jesus para não acumular bens na terra (Mt 6,19).
 
Diante de tal situação, a Liturgia do 33DTC-B propõe não parar na catástrofe que destrói porque isso causaria o pavor e tenderíamos ao desespero pelo medo. Tudo vai acabar, é verdade, mas isso não nos deve induzir ao desespero. Existe um sentido da vida que nem sempre é visível, como relatado na parábola da figueira, contada por Jesus. Escondida debaixo da casca seca e aparentemente morta da figueira encontra-se uma vida que germina e produz flores e frutos. Neste contexto, a figueira também é símbolo apocalíptico, não entendido no senso comum da destruição catastrófica, mas como revelação — no que significa a palavra apocalipse — que a destruição, por mais catastrófica que seja, é incapaz de matar a vida divina em nós.
 
A vida eterna, vida que dura para sempre, vida que podemos viver é dom da vida plena que Jesus Cristo, Rei eterno, ofereceu-nos no trono da sua Cruz. É a última celebração do Ano Litúrgico (34DTC-B), Solenidade de Cristo Rei, celebrando o Rei que veio para dar testemunho da verdade. Da verdade presente nos valores do Reino de Deus, dos quais, o maior e o mais sublime é a vida humana.
Serginho Valle
Outubro de 2018
 
Download

VOLTAR