Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
[email protected]


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXII - 2022

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

Avisos

PROPOSTAS DE DEZEMBRO DE 2022

Comunicamos que :

As propostas de DEZEMBRO/22 já ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar, fazer nova assinatura ou pedidos avulsos
clique em um dos links, lembrando que se já cliente, adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 

PROPOSTA AVULSA (UMA): 
Clique aqui

PROPOSTA (DOIS 1ºs DOMINGOS):
Clique aqui

PROPOSTAS (DOIS UTMS DOMINGOS): 
Clique aqui

CELEBRAÇÃO PENITENCIAL ADVENTO
Clique aqui

NATAL DO SENHOR
Clique aqui

Ou

FAÇA PEDIDO POR PIX,  DEPÓSITO TRADICIONAL, QR code:

- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:
 
 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*[email protected] ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
   

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Liturgia e o final dos tempos
03 de novembro de 2018
Liturgia e o final dos tempos
 
O dom da vida eterna e a fraternidade
Na conclusão do Ano Litúrgico, as celebrações, pedagogicamente, conduzem os celebrantes a refletir sobre o fim das realidades terrenas, incluindo a vida humana. Esta realidade do fim da vida humana encontra-se na primeira celebração de Novembro, na Comemoração dos fiéis defuntos. Uma celebração que, evidentemente, não celebra a morte humana, mas favorece os celebrantes colocarem-se diante da morte iluminando-os pelo convite de acolher a vida eterna em sua vida humana.
 
A vida eterna, que recebemos de Deus, é um dom que não nos é dado depois da morte, mas que pode ser usufruído desde agora, desde este momento de nossa existência terrena. Um modo para isto acontecer é pela fraternidade, especialmente quando esta realiza o resgate da vida (Missa de Finados), porque a vida que recebemos de Deus é para ser vivida plenamente, eternamente.
 
Também é pedagógica a proposta da Liturgia apresentar a fraternidade como exemplo vivo e histórico de milhões de cristãos, homens e mulheres, na celebração de todos os Santos e Santas. Daqueles que se tornaram bem-aventurados, como diz o Evangelho dessa Missa, por dedicarem suas vidas ao resgate da vida em diferentes formas de fraternidade propostas no Evangelho.  Além disso, a Solenidade de todos os Santos e Santas favorece a compreensão da santidade da vida divina vivida na vida humana. À medida que a vida divina vai se adaptando ao modo humano de viver, esta vai se tornando humanamente eterna, imortal.
 
Isto faz compreender que a vida humana acolhe a dinâmica da vida divina e é santificada por este acolhimento. A presença da vida divina na vida humana acende na pessoa o olhar divino, tornando-o olhar fraterno para com todos. Olhar que sempre valoriza a vida, como é o próprio do olhar divino.
 
A santidade é a vida divina vivendo na vida humana; dom recebido no Batismo. Tanto é, que a vida divina habita em nós tornando-nos Templos do Espírito Santo (1Cor 6,19). Mas, tem um detalhe importante. Para isso acontecer existe a necessidade da colaboração humana, como por exemplo, o cultivo da confiança e da esperança. Estamos na dimensão da fé.
 
A Liturgia do 32DTC-B incentiva este cultivo com o exemplo de duas pobres viúvas, as mulheres mais marginalizadas no contexto social dos tempos Bíblicos. Nelas, a confiança e a esperança se traduzem pela partilha e pela doação. A fraternidade acontece pela partilha e pela doação e, para isso, a necessidade de dar daquilo que se tem para viver em total confiança a Deus. Confiar em Deus e esperar em Deus é aceitar s desafios diante dos necessitados. É o grande desafio que a Liturgia coloca diante da cultura marcada pelo egocentrismo.
 
 
A imortalidade da vida, primazia do Reino
Outra proposta pedagógica da Liturgia, além de dar sentido à vida pela fraternidade, é aquela de situar os celebrantes diante da finitude de tudo. Um dia, diz a Sagrada Escritura, tudo acabará. É um modo de reafirmar a fé na eternidade divina: só Deus permanece e permanecerá para sempre, tudo o mais passa e acabará. Disto o ensinamento de Jesus para não acumular bens na terra (Mt 6,19).
 
Diante de tal situação, a Liturgia do 33DTC-B propõe não parar na catástrofe que destrói porque isso causaria o pavor e tenderíamos ao desespero pelo medo. Tudo vai acabar, é verdade, mas isso não nos deve induzir ao desespero. Existe um sentido da vida que nem sempre é visível, como relatado na parábola da figueira, contada por Jesus. Escondida debaixo da casca seca e aparentemente morta da figueira encontra-se uma vida que germina e produz flores e frutos. Neste contexto, a figueira também é símbolo apocalíptico, não entendido no senso comum da destruição catastrófica, mas como revelação — no que significa a palavra apocalipse — que a destruição, por mais catastrófica que seja, é incapaz de matar a vida divina em nós.
 
A vida eterna, vida que dura para sempre, vida que podemos viver é dom da vida plena que Jesus Cristo, Rei eterno, ofereceu-nos no trono da sua Cruz. É a última celebração do Ano Litúrgico (34DTC-B), Solenidade de Cristo Rei, celebrando o Rei que veio para dar testemunho da verdade. Da verdade presente nos valores do Reino de Deus, dos quais, o maior e o mais sublime é a vida humana.
Serginho Valle
Outubro de 2018
 
Download

VOLTAR