Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
[email protected]


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXII - 2022

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

E-book's

Pastoral Lit├║rgica, uma proposta um caminho

Para adquirir este ou outros e-book's, acesse a central do assinante e faça o seu pedido

Avisos

PROPOSTAS DE NOVEMBRO DE 2022

Comunicamos que :

As propostas de NOVEMBRO/22 já ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar, fazer nova assinatura ou pedidos avulsos
clique em um dos links, lembrando que se já cliente, adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 

PROPOSTA AVULSA (UMA): 
Proposta Avulsa (Uma)

PROPOSTA AVULSA (DUAS): 
Proposta Avulsa (Duas)

Ou

FAÇA PEDIDO POR PIX,  DEPÓSITO TRADICIONAL, QR code:

- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:
 
 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*[email protected] ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
   

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Pedagogia de Janeiro 2022
27 de dezembro de 2021

Pedagogia litúrgica – janeiro 2022

 
A pedagogia litúrgica de janeiro 2022 será iluminada com a luz da “vida cristã”. Faremos a reflexão considerando dois aspectos da vida cristã: o que é a vida cristã e como se vive a vida cristã. Nas celebrações natalinas, vamos considerar três elementos constitutivos da vida cristã: a meditação silenciosa (Mãe de Deus), a busca da luz divina (Epifania) e o sopro espiritual pulsando na vida pessoal (Batismo de Jesus).
 
Nas três primeiras celebrações do Tempo Comum, a consideração cairá sobre o como viver a vida cristã: fazendo o que Jesus pede (2DTC-C), vivendo em comunidade (3DTC-C) e vivendo o Evangelho como testemunho profético (4DTC-C).
 
O que é a vida cristã
No contexto do processo mistagógico, entende-se que as celebrações propõem aspectos e não tratados sobre um determinado tema. Os aprofundamentos acontecem em outros locais, como cursos, livros, debates, palestras. Além do mais, a finalidade mistagógica consiste em, pedagogicamente, acender luzes, como gosto de dizer, capazes de iluminar aspectos da fé na vida pessoal e na vida da comunidade. Nas celebrações de janeiro 2022 a luz chama-se “vida cristã”, considerada como estilo de vida de quem está em busca de Deus. Os cristãos, com sua vida cristã, são buscadores de Deus: “é vossa face, Senhor, que eu procuro, não escondais de mim o vosso rosto” (Sl 27,8)
 
A vida cristã busca Deus no silêncio da meditação
A primeira celebração de janeiro celebra o Mistério Pascal de Jesus Cristo contemplando Santa Maria, Mãe de Deus. Solenidade que encerra a Oitava do Natal. No contexto mistagógico liúrgico que as propsotas celebrativas do SAL – Serviço de Animação Litúrgica – propõe para este mês de janeiro, Maria é apresentada como a primeira cristã e modelo mais perfeito de quem viveu a vida cristã.
 
Existem vários aspectos na espiritualidade mariana exemplares para a vida cristã. Um modo de definir a vida cristã é a busca de Deus pela contemplação e meditação silenciosa do Evangelho. A vida cristã é uma busca de Deus e a meditação silenciosa é um caminho eficaz. No presépio, Maria busca Deus e silencia diante do Evangelho vivo, que é seu próprio Filho. Ali medita o Evangelho de Jesus sem ter ouvido sequer uma palavra de Jesus. O que ouviu foram as maravilhas divinas narradas pelos pastores.
 
Um modo cristão de iniciar a busca de Deus, na vida cristã, encontra-se no silêncio meditativo do coração. A celebração deste início de ano, apresenta Maria como modelo de discípula que silenciosamente acolhe o Evangelho e enche seu coração com a paz divina pela meditação. A vida cristã não cria ansiedade na busca de Deus, mas o deseja com ardor (Sl 119,10), o deseja com o coração repleto de paz, fruto da meditação silenciosa como na vida da Mãe de Jesus.
 
 
A vida cristã é vida buscadora da luz divina
O conceito de vida cristã como buscadora de Deus pela meditação silenciosa é indicativo de passividade. Sim, a vida cristã cresce na passividade da meditação, no descanso meditativo de noites silenciosas em oração, como fazia o Mestre (Lc 6,12), a vida cristã cresce na adoração silenciosa diante do Santíssimo Sacrmento. Passividade necessária de quem é caminheiro, como Jesus, que não estacionava sua espiritualidade na meditação pela meditação, mas no caminho e no caminhar. Por isso, entende-se que espiritualidade da vida cristã se caracteriza como peregrina em busca da luz. O exemplo, na pedagogia litúrgica, encontra-se nos Reis Magos, na Solenidade da Epifania.
 
Uma característica muito natural da vida cristã, do ponto de vista espiritual, é peregrinar como buscadora da luz. Na Liturgia da Solenidade da Mãe de Deus, o chamado silencioso é fruto da meditação, do discípulo que ouve a voz divina no seu coração. Na Epifania, o cristão é aquele que vê a luz divina e se coloca a sua procura; toma atitude. Levanta-se para caminhar como peregrino em busca de Deus.
 
A luz divina não brilha, apenas, para um determinado grupo de pessoas, mas para todos os povos (1L e SR da Epifania). É uma luz que atrai, que é visível, mas somente aqueles que se colocam a caminho a encontram. Quem estaciona sua vida em seus conhecimentos e em suas dúvidas, como os teólogos de Herodes, não encontram a luz divina porque não reagem como peregrinos; ficam estacionados em suas convicções e em suas espiritualidades teóricas. Os Reis Magos fazem a experiência da peregrinação e seus corações, diz o Evangelho, ficaram alegres. A mesma experiência acontece com os pastores que se colocaram a caminho para ir ao encontro de Jesus: admiração, espanto, alegria de entrar no presépio, a primeira meta de peregrinação da vida cristã.
 
A vida cristã é um modo de viver peregrinando como buscador de Deus, como peregrino que caminha ao encontro de Deus. Não é uma vida estacionada em doutrina e nem mesmo em rezas e, muito menos em tradicionalismos; é vida de paz inquieta como é próprio de quem deseja encontrar a face divina.
 
Batismo de Jesus
Por fim, na última celebração natalina — Batismo de Jesus — nossa proposta celebrativa apresenta o início da peregrinação em busca de Deus. O Batismo de Jesus conta com uma celebração reveladora, seja no fato de João Batista apresentar Jesus como o Messias esperado, seja no fato de Jesus revelar quem é o homem no Mistério divino.
 
O cristão alimenta sua vida cristã no silêncio da meditação (Liturgia da Mãe de Deus), torna-se peregrino do rosto divino (Liturgia da Epifania) e encontra a identidade da sua vida cristã na Liturgia do Batismo de Jesus com uma definição fantástica do que é a vida cristã: é o acolhimento do Espírito de Deus na vida pessoal. O cristão portanto é aquele que medita guiado pela sabedoria divina, peregrina conduzido pelo Espírito Santo e, o cristão é o santuário do Espírito Santo (1Cor 6,19). A espiritualidade da vida cristã diviniza o homem e a mulher, torna-o santificado pois nele habita o Espírito de Deus.
 
Quem assume a vida cristã é batizado, é mergulhado no Espírito Santo e por isso, vive respirando o “respiro de Deus” (2L do Batismo de Jesus). A vida cristã não respira do “ar do mundo”, mas o “ar divino”, a vida cristã não ilumina o cristão e a cristã com as luzes do mundo, mas com a luz divina que o coloca na “estrada de Jesus”, no caminho do Evangelho, tornando-o discípulo e discípula de Jesus.
 
 
Resumo da primeira parte
O conteúdo mistagógico da primeira parte, formado pelas celebrações do Tempo de Natal, descreve a vida cristã com três características da espiritualidade evangélica: é uma vida que se alimenta com a meditação silenciosa (Mãe de Deus), é uma vida caracterizada como peregrina e buscadora da face divina (Epifania) e é uma vida que respira o Espírito Santo de Deus (Batismo de Jesus).
 
Agora, vamos para a segunda parte desta pedagogia litúrgica considerando três aspectos práticos de como se vive a vida cristã: vivida em obediência ao Evangelho, vivida em comunidade e vivida como profeta testemunhando o Evangelho. Vida obediente, comunitária e profética.
 
A vida cristã é obediente (2DTC-C)
A vida cristã é vivida na obediência do Evangelho, fazendo tudo que Jesus pede para fazer (2DTC-C). Dizendo de outro modo: para se viver a vida cristã existe uma condição básica: fazer o que Jesus manda. Estamos situados no 2DTC-C, com o Evangelho das Bodas de Caná. Nossa proposta celebrativa do SAL – Serviço de Animação Litúrgica – conduz os celebrantes a compreender que quem faz o que Jesus manda bebe o “vinho novo”, quer dizer, bebe o Evangelho e transforma a vida em festa, convivendo com Jesus.
 
Jesus não muda as talhas usadas para a purificação, mas o conteúdo das talhas de pedra. A vida cristã inicia-se a partir do interior, do conteúdo do coração, e para isso é preciso levar a vida que levamos dentro de nós. A mudança só pode acontecer porque os serventes das Bodas de Caná fizeram o que pediu Nossa Senhora: “façam tudo que ele vos disser” (E – 2DTC-C). Como vivemos a vida cristã? Sendo obediente ao Evangelho, fazendo tudo que diz o Senhor.
 
Vida comunitária (3DTC-C)
O segundo modo de viver a vida cristã é vivendo em comunidade. Vida cristã jamais se caracteriza pela individualidade. A espiritualidade cristã nunca cresce isolada, com propostas de controle de mente, por exemplo, mas sempre em comunidade, em relacionamento fraterno. É vida comunitária e é espiritualidade comunitária; vida eclesial.
 
A compreensão é possível quando se considera a fonte comunitária da vida cristã: a Palavra de Deus. A vida cristã se organiza ao redor da Palavra. Dela aprende e por ela orienta sua vida. A Palavra de Deus é a luz formadora da comunidade. Todos os Domingos, a comunidade eclesial que vive na paróquia ou numa capela, por exemplo, se reúne em assembleia litúrgica para ouvir a Palavra e partilhar o pão. Ouve a Palavra comunitariamente, o que torna cada celebrante evangelizado,
 
A vida cristã é profética (4DTC-C)
O terceiro modo de viver a vida cristã, praticamente uma consequência dos dois modos propostos anteriormente, é a atividade profética presente na vida cristã. Dizia que se trata de algo consequencial porque quem vive fazendo o Jesus pede (2DTC-C), quem faz a hermenêutica do Evangelho dentro da própria comunidade (3DTC-C) este torna-se profeta, vive a vida cristã como profeta, como testemunho do Evangelho, pregando o Evangelho com sua existência dentro da comunidade (4DTC-C).
 
É preciso dizer que o testemunho do profeta, de quem vive a vida cristã como profeta, nunca foi simples e fácil no decorrer de toda a história. Sempre exigiu coragem e, todos os profetas intercederam a coragem divina (1L do 4DTC-C). A proposta celebrativa do SAL para o 4DTC-C chama atenção para essa peculiaridade da vida cristã, alertada pelo próprio Jesus: a convivência com o conflito e com perseguições (Mc 10,30).
 
Paulo (2L – 4DTC-C) diz que o modo superior de viver o profetismo na vida cristã é pela caridade. Não um profetismo de pregação, mas profetismo ativo, no qual o Evangelho não é explicado com palavras, mas colocado em prática e compreendido pela caridade fraterna. O profetismo e a mensagem divina encontram-se no modo de viver a vida cristã pela caridade fraterna. O profeta de nossos tempos não se distingue nem pela glossolalia e nem pela taumaturgia (2L – 4DTC-C), mas pela caridade fraterna.
 
 
Conclusão
Uma pedagogia litúrgica bem longa devido ao tema e a seis celebrações do mês de janeiro 2022. Um tamanho que favorece o aprofundamento da iluminação mistagógica que nós do SAL fazemos nas propostas celebrativas de janeiro 2022.
 
Em tempo de refletir sobre a Igreja Sinodal, a iluminação da vida cristã é essencial para compreender que somos uma Igreja peregrina conduzida pelo Espírito Santo de Deus, buscando sempre o rosto de Deus, especialmente no profetismo do Evangelho vivo realizado na caridade fraterna, que é o que mais caracteriza a vida cristã.
Serginho Valle
Dezembro 2021
 
 
 
 
 
 
 
 
Download

VOLTAR