Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
[email protected]


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXIII - 2023

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

Avisos

MAIO DE 2023

Comunicamos que :

As propostas de MAIO/23 JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar, fazer nova assinatura ou pedidos avulsos
clique em um dos links, lembrando que, se já for cliente, adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 

PROPOSTA AVULSA (UMA): 
Clique aqui

PROPOSTA (DOIS 1ºs DOMINGOS):
Clique aqui

PROPOSTAS (DOIS UTMS DOMINGOS): 
Clique aqui

Ou

FAÇA PEDIDO POR PIX,  DEPÓSITO TRADICIONAL, QR code:

- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:
 
 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*[email protected] ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
   

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Pedagogia Lit├║rgica de fevereiro 2022
31 de dezembro de 2021

Pedagogia de fevereiro 2022

 
A pedagogia litúrgica de janeiro 2022 conduziu mistagogicamente os celebrantes a refletir e celebrar a vida cristã. Especialmente nos últimos três Domingos de janeiro, a dinâmica mistagógica propôs três modos de viver a vida cristã: na obediência ao Evangelho (2DTC-C), em comunidade (3DTC-C) e pelo testemunho profético (4DTC). As celebrações de fevereiro 2022 continuam no mesmo processo mistagógico da vida cristã, mas a partir de um dado fundamental da vida cristã: iluminar os celebrantes com a luz do discipulado. A vida cristã só pode ser autêntica se for vivenciada no discipulado. Não é suficiente conhecer teoricamente o Evangelho, é preciso empenhar a vida por ele e isso acontece no caminho do discipulado.
 
O discipulado e acolhimento da Palavra
O discipulado é a condição natural da vida cristã. Quem aceita viver autenticamente a vida cristã, naturalmente torna-se discípulo e discípula de Jesus. O primeiro passo para ingressar no discipulado encontra-se no acolhimento da Palavra. O exemplo é Pedro e seus irmãos: ouviram a Palavra, deixaram a praia e o barco para seguir Jesus (E do 5DTC-C).
Existe, contudo, um fato que merece ser considerado. O acolhimento da Palavra não é algo simples, que não se configura unicamente pela razão e pela emoção; configura-se mais profundamente pela experiência do temor a Deus. É uma experiência que mexe com as estruturas existenciais, que mexe com a praia, com a barca e com o trabalho; com o contexto existencial. Na visão, Isaías ouve a voz de Deus que faz tudo tremer; ele se reconhece impuro para estar na presença de Deus (1L do 5DTC-C). Pedro passa pela mesma experiência ao ouvir a Palavra de Jesus (E do 5DTC-C). Paulo, aquele que ouve a Palavra de Deus através das Escrituras (2L do 5DTC-C), também reconhece sua indignidade diante dessa Palavra. Em nenhum deles a Palavra encontrou uma vida estéril.
 
Discipulado é total confiança em Deus
            A experiência do discipulado através do discernimento faz entender a necessidade do discípulo e discípula depositar toda a confiança da própria vida em Deus. O discípulo e discípula de Jesus não desprezam um bom emprego, mas não coloca nisso o sentido da existência, pois sua confiança é colocada totalmente em Deus. É uma experiência radical, denominada na espiritualidade cristã como “opção fundamental”. Uma vez mais a necessidade do discernimento, que a maior parte do nosso povo realiza unicamente pela participação na Liturgia. Considere-se a importância de homilias bem-feitas, capazes de oferecer luzes de discernimento e não apenas explicações de leituras ou comentários pessoais.
            A Palavra do 6DTC-C fala da confiança em Deus apresentando a figura do pobre, no sentido Bíblico do “anwin”, daquele que conta única e somente com Deus para poder sobreviver. A Bíblia elogia a sabedoria do pobre por não se apegar em seguranças terrenas. O pobre é tratado como sábio por Deus (1L e SR do 6DTC-C) e proclamado como bem-aventurado por Jesus (E do 6DTC-C). Dizer que confiamos (fé) em Deus é comum, na cultura cristã, mas assumir atitudes confiantes exige desapego e a relativização dos bens materiais. O salmista (SR do 6DTC-C) é categórico: a felicidade do discípulo e da discípula encontra-se em confiar-se totalmente em Deus. Esta é uma decisão arriscada e desafiadora na vida cristã que, pelo discernimento continuado, vai modelando o coração do cristão e da cristã na estrada do discipulado.
 
Discipulado e misericórdia
            O enfoque pedagógico das propostas celebrativas do mês de novembro 2021 foi iluminado pela mistagogia da santidade. O cristão é chamado a ser santo e santa. O mesmo desafio acontece na celebração deste Domingo com um esclarecimento: o discípulo e discípula cristãos pautam suas vidas na santidade divina vivendo de modo misericordioso. No dizer da Teologia de São Paulo, o discipulado modela o cristão como homem novo, modela a cristã como mulher nova a partir do "espírito vivificante" (2L do 7DTC-C). Para São Paulo, o discípulo e discípula de Jesus é bem mais que um ser racional. A identidade do discípulo e discípula de jesus é de alguém que tem o Espírito divino no seu coração, na sua vida, por isso é homem e mulher espiritual.
            Disso compreende-se que o discípulo e a discípula assumam o mesmo comportamento que Jesus tinha para com as pessoas. O “homem e a mulher espiritual” não adotam a violência ou agressividade, mas o critério da misericórdia divina, que se distingue pelo perdão e respeito à vida, que acolhe bons e maus e chega ao extremo de amar os inimigos (E do 7DTC-C). A vida cristã marcada pelo discipulado comporta-se não pela agressividade da vingança, mas oferecendo a outra face, aquela da compreensão e do acolhimento. Começa a pensar como Deus, que ama a pessoa humana sem considerar seu pecado (SR do 7DTC-C), sendo capaz de chegar ao extremo do amor perdoando os inimigos; é a radicalidade do perdão (E do 7DTC-C) que sempre preserva a vida de todos, até mesmo dos inimigos (1L do 7DTC-C).
 
Um só é o vosso Mestre
No decorrer do mês de fevereiro de 2022, a mistagogia nas celebrações Dominicais considerou três atitudes de quem ingressa no discipulado de Jesus, caminhando na estrada do Evangelho: acolhedor da Palavra (5DTC-C), confiança (fé) total em Deus (6DTC-C) e homem e mulher espirituais (7DTC-C). No 8DTC-C, a proposta celebrativa do SAL – Serviço de Animação Litúrgica celebra a identidade do único Mestre da vida cristã: Jesus Cristo. 
Jesus é um Mestre especial, no sentido que não se preocupa em ensinar uma doutrina ou uma filosofia existencial. É um Mestre que revela o segredo da vida: viver em Deus caminhando na estrada do Evangelho, no caminho do discipulado. Jesus é o Mestre que orienta seus discípulos e discípulos a iluminar o olhar de suas vidas com a luz do Evangelho para produzir os bons frutos do Reino de Deus no meio da sociedade. Parafraseando o salmista: o discípulo e discípula de Jesus é como uma árvore plantada perto da água que produz muitos frutos e floresce para embelezar a vida (SR do 8DTC-C). Por isso, não vale a pena seguir mestres cegos, que vivem propondo “pensamentos positivos” sem cultivar o sentido da vida (1L do 8DTC-C).
Merece atenção o fato de Jesus, como Mestre, chamar atenção para o olhar. A primeira parte dos ensinamentos de Jesus enfoca os "olhos", o olhar. O discípulo enxerga a vida com a luz do Evangelho e isto lhe possibilita uma visão diferente da realidade. Ele não é conduzido por um mestre cego, que ensina ensinamentos do mundo, ensinamentos opacos, incapazes de mostrar o sentido da vida plena (Jo 10,10). Jesus é o único Mestre da vida cristã que propõe o tesouro do seu ensinamento como proposta de vida, no Evangelho. E aqui, como na primeira celebração de fevereiro (5DTC-C), retorna o tema do discernimento, no ensinamento de Jesus: discernir o tesouro do seu coração (E do 8DTC-C). Olhar para dentro da sua vida e retirar dela o que impede viver plenamente, para nela colocar unicamente o Evangelho. Eis o processo de discernimento de se colocar diante do tesouro de sua vida que, aliás, poderá servir como proposta de vida para o tempo da Quaresma, que se inicia na próxima Quarta-feira de Cinzas.
Serginho Valle
Novembro de 2021
 
 
Download
VOLTAR