Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
[email protected]


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXII - 2022

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

E-book's

Pastoral Lit├║rgica, uma proposta um caminho

Para adquirir este ou outros e-book's, acesse a central do assinante e faça o seu pedido

Avisos

PROPOSTAS DE NOVEMBRO DE 2022

Comunicamos que :

As propostas de NOVEMBRO/22 já ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar, fazer nova assinatura ou pedidos avulsos
clique em um dos links, lembrando que se já cliente, adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 

PROPOSTA AVULSA (UMA): 
Proposta Avulsa (Uma)

PROPOSTA AVULSA (DUAS): 
Proposta Avulsa (Duas)

Ou

FAÇA PEDIDO POR PIX,  DEPÓSITO TRADICIONAL, QR code:

- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:
 
 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*[email protected] ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
   

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
M├║sica vocal e m├║sica instrumental
13 de novembro de 2021

Música vocal e música instrumental

 
SC 120
“Tenha-se na Igreja Latina em grande consideração o órgão de tubos, como instrumento tradicional de música, cujo som pode acrescentar às celebrações admirável esplendor e elevar com veemência as mentes a Deus e às coisas divinas.”
 
“Outros instrumentos podem ser admitidos ao culto divino, a juízo e com o consentimento da autoridade territorial competente, à norma dos artigos 22 § 2, 37 e 40, contanto que sejam adequados ao uso sacro, ou possam a ele se adaptar, condigam com a dignidade do templo e favoreçam realmente a edificação dos fiéis.”
 
Até agora falamos de “música”, indistintamente. No entanto, há outra regra a ser lembrada: a música vocal é mais importante na Liturgia do que a música instrumental e deve ocupar o espaço maior. É a voz humana que se alegra e louva a Deus, que chora, geme e implora, que expressa o Mistério de Cristo.
É pela voz humna que cantamos e manifestamos nossas alegrias e nossas angustias diante de Deus. E fazemos isso com a música vocal. Por isso, é importante considerar a necessidade de não escolher canções que expressem o espírito de cada rito acompanhado musicalmente favorecendo a participação ativa e consciente na celebração. Para tanto é preciso aprender a ouvir o texto, deixar as palavras penetrarem no corpo, na mente, na alma para causar alguma reação pessoal.
No contexto da espiritulidade litúrgica iluminada pela música, os autores e estudiosos da música como meio orante, pedem que através da voz do salmista, dos cantores, da assembléia..., ouça-se a voz de Cristo, a voz do Espírito, a voz da humanidade inteira, de ontem e de hoje, com a oração incensante do Espírito que reza com gemidos e súplicas (Rm 8,26-27) no coração dos santos e santas que vivem na Igreja. É a grande comunhão espiritual que incessessantemente a Igreja eleva a Deus com suas canções, especialmente cantando os salmos; salmodiando. A música tem esse poder e capacidade de nos colocar em comunhão, por isso, dizem vários documentos, a música litúrgica deve ser santa porque santo é o momento no qual é cantada.
 
Uso dos instrumentos musicais
Os instrumentos muitas vezes provocam distração ou impedem cantar com o coração. Por isso, a Liturgia orienta usar os instrumentos musicais como suportes para favorecer a canção. O grande exemplo, neste sentido, é o uso dos instrumentos no canto gregoriano: usado apenas como suporte. Dentro de cada contexto e uso de vários instrumentos, como se faz hoje nas celebrações, é importante aprender a usar os instrumentos a favor da oração e não como distração e impedimento orante.
Do ponto de vista pastoral, considero que não somente nos tempos penitenciais, como a Quaresma, mas também no Advento, não deveríamos abrir mão de cantar certos cantos sem instrumento. Cantar “a cappella” para favorecer o sentimento orante através da voz, sentindo unicamente a voz cantando com nosso corpo.
Compreende-se que o instrumento musical está a serviço da voz, dando suporte, jamais para abafar ou encobrir a voz. Podemos prever peças instrumentais, independente de canto, por exemplo, durante a procissão das oferendas, ou depois da comunhão, ou ainda na saída. No geral, contudo, a função dos instrumentos é de ser suporte.
É necessário dizer que não se deve substituir o músico por uma máquina, uma playlist de músicas litúrgicas tocadas no celular, por exemplo. É o ser humano que louva a Deus com sua voz e com seu instrumento, não a máquina. É pela arte, as vezes precária, outras vezes sofisticada na execução instrumental, que a Igreja louva a Deus com sua canção e sua arte musical litúrgica.
É claro que a Igreja admite instrumentos e até elege o órgão de tubos como o preferido para a Liturgia. O motivo da escolha do órgão de tubos é a solenidade e o recolhimento espiritual que o órgão de tubos promove numa celebração litúrgica. O som e o jeito de tocar o órgão de tubos, tocado com arte e dentro do contexto celebrativo, nunca agredirá os celebrantes, como pode acontecer com uma guitarra, bateria ou um violão barulhentos, principalmente quando tocados sem arte. Assim sendo, é preciso ter presente duas coisas: quando entra a arte, tudo muda; quando se conhece a arte litúrgica musical, tudo é esclarecido.
Outros instrumentos também são permitidos na Liturgia, como sabemos. No Brasil, usamos vários instrumentos na Liturgia. A questão não é o instrumento, mas o modo de usar o instrumento na celebração. Lembramos que “o instrumento musical deve estar a serviço da voz, dando suporte, porém jamais abafa-la ou encobri-la.” Isso vale para todos os instrumentos, órgão de tubos, inclusive.
Em alguns momentos da celebração, pode-se tocar somente música instrumental, como por exemplo: para acompanhar a procissão de entrada, no momento da procissão das ofertas, num momento de reflexão ou oração silenciosa. Nunca, porém, no momento da consagração e como fundo musical das orações presidenciais, principalmente na Oração Eucarística. Quando a Liturgia fala de silêncio é silêncio sem o preenchimento da música.
 
Conclusão
A conclusão é feita com o Estudo da CNBB 79, n. 205.
 
“A linguagem musical dos instrumentos tem seu lugar e importância na celebração da fé, não somente enquanto acompanha, sustenta e dá realce ao canto, que é sua função principal, mas também por si mesma, ao proporcionar ricos momentos de prazerosa quietude e profunda interiorização ao longo das celebrações, proporcionando-lhes assim maior densidade espiritual. Instrumentos de todo tipo estão sendo convocados a prestar este serviço, contanto que se leve em conta o gênio e as tradições musicais de cada cultura, a especificidade de cada ação litúrgica e a edificação da comunidade orante.”
 
Serginho Valle
Setembro de 2021
 
 
Download

VOLTAR