Serviço de Animação Litúrgica cruz WhatsApp: (17) 3512-9014
[email protected]


ATENDIMENTO
de 2ª - 6ª das 13:30 - 17:30
 
 
QUEM SOMOS   |   ARTIGOS SERGINHO VALLE   |   PEDAGOGIA DO MÊS   |   DIRETÓRIO LITÚRGICO   |   DEPOIMENTOS   |   FALE CONOSCO
 
 

XXIII - 2023

Acesso às Propostas

Renove, assine, faça seu pedido ou faça download das propostas aqui:
Esqueceu sua senha?
Clique aqui
Ainda não tem cadastro?
Clique aqui

Confirmar Pagamento

Enviar Confirmação

Avisos

JULHO DE 2023

Comunicamos que :

As propostas de JULHO/23 JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS
NO SISTEMA. 
 
Para renovar, fazer nova assinatura ou pedidos avulsos
clique em um dos links, lembrando que, se já for cliente, adicione
código de acesso junto ao NOME.
 
 
ASSINATURA ANUAL:
 
ASSINATURA SEMESTRAL : 
 

PROPOSTA AVULSA (UMA): 
Clique aqui

PROPOSTA (DOIS 1ºs DOMINGOS):
Clique aqui

PROPOSTAS (DOIS UTMS DOMINGOS): 
Clique aqui

Ou

FAÇA PEDIDO POR PIX,  DEPÓSITO TRADICIONAL, QR code:

- Número PIX: 44359918968;
- DEPÓSITO TRADICIONAL: 
Bradesco: ag 0023; cc 0131805-5
titular: Sergio Francisco Valle
Brasil: ag 0076-0 ; cc 9086-7 -
titular: Rosane Almada da Silva
-QRCode -  Aponte a camera
do seu app do BANCO
para nosso QR code abaixo:
 
 
 
Opção: PIX, Depósito
em banco ou QRCode
envie-nos comprovante
por e-mail ou por whatsapp:
*[email protected] ;  
*17-35129014
 

Paz e Bem!
Ana
 

 

 

veja todos

Diretório Litúrgico


Diretório Litúrgico 

O Ano Litúrgico

A Liturgia...
Leia Mais

veja todos

 

Celebrações Especiais

Missa de Bodas Matrimoniais
Leia Mais

Novena do Padroeiro
Leia Mais

Semana vocacional - Grupos
Leia Mais

Semana vocacional - Liturgia da Palavra
Leia Mais

 
Pedagogia Mistag├│gica do Tempo Pascal
10 de abril de 2023

Pedagogia mistagógica do TEMPO PASCAL – A


O Tempo Pascal do Ano A é especialmente dedicado à mistagogia. Já nos primeiros séculos da Igreja (a partir do século VIII), a estrutura do Tempo Pascal inspira-se na pedagogia mistagógica de introduzir os celebrantes no Mistério celebrado. As propostas celebrativas do SAL têm nas propostas celebrativas a finalidade de ajudar os celebrantes a ingressar na ressurreição de Jesus. Propostas para facilitar o reconhecimento de sinais e marcas da ressurreição na vida pessoal e na vida da comunidade.


Didática do Tempo Pascal

Didaticamente, os três primeiros Domingos do Tempo Pascal relatam as aparições de Jesus ressuscitado: o Domingo da Páscoa, o 2º Domingo e o 3º Domingo da Páscoa. Depois, serão três Domingos propondo o contato pessoal com Jesus ressuscitado como meio para confirmar a fé na ressurreição com suas consequências existenciais: o 4º Domingo da Páscoa, 5º Domingo da Páscoa e o 6º Domingo da Páscoa. E, por fim, os dois últimos Domingos do Tempo Pascal, Ascensão e Pentecostes, celebram o envio missionário da Igreja.


A pergunta básica para e se entender a dinâmica mistagógica do Tempo Pascal, nas propostas celebrativas do SAL, é esta: como nós, cristãos e cristãs, podemos ingressar na ressurreição de Jesus, depois de tantos séculos?


No tempo histórico da ressurreição, Jesus se serviu das aparições para que os Apóstolos, os discípulos e discípulas, cressem e entrassem em contato com a ressurreição de Jesus. Foi nessas aparições que Jesus colocou alguns sinais que, ainda hoje, 21 séculos depois, nos ajudam a ingressar no Mistério da Ressurreição e confirmar a fé na ressurreição.


2º Domingo da Páscoa e 3º Domingo da Páscoa – Aparições de Jesus

2º Domingo da Páscoa - A
No 2º Domingo da Páscoa existem vários modos de ingressar e entrar em contato com a ressurreição: o primeiro é o acolhimento do kerigma da ressurreição feito pelos Apóstolos. Os Apóstolos anunciam o kerigma da ressurreição a Tomé: o Senhor ressuscitou! Tomé não aceita, não acolhe o kerigma dos Apóstolos e põe condições. Estamos falando da fé na ressurreição. Nós cremos na ressurreição porque os Apóstolos anunciaram e testemunharam que Jesus verdadeiramente ressuscitou. Nisto, a última bem-aventurança anunciada por Jesus: bem-aventurados os que creem sem ver; sem exigir provas.


O 2º Domingo da Páscoa apresenta outros sinais da ressurreição: a partilha fraterna na caridade (1L) e a misericórdia (SR): quem viver misericordiosamente fraterno ingressa na ressurreição de Jesus. Também o acolhimento do Espírito Santo, celebrando o perdão dos pecados, é um modo de entrar em contato e ingressar na ressurreição. A celebração da Eucaristia no 8º Dia — Domingo — é outro modo de entrar em contato com a ressurreição de Jesus.


3º Domingo da Páscoa - A
No 3º Domingo da Páscoa repete-se o convite sobre a fé na ressurreição nestes termos: verdadeiramente o Senhor ressuscitou. Este anúncio aparece no Domingo da Páscoa, no 2º Domingo da Páscoa e é repetido no 3º Domingo da Páscoa. Didaticamente, a Liturgia reforça o mesmo anúncio: Jesus verdadeiramente ressuscitou! Este é o fundamento, da fé cristã. Nós cremos e testemunhamos que verdadeiramente Jesus ressuscitou. Para que isso fique bem claro, a Liturgia repete três vezes, em três Domingos Pascais, o mesmo anúncio. Por que a Igreja, através da Liturgia, insiste em proclamar que “verdadeiramente” Jesus ressuscitou? Porque, desde o tempo apostólico até nossos dias o testemunho da ressurreição lida com o tema da dúvida.


O tema da dúvida
O 2º e no 3º Domingos da Páscoa são Domingos que apresentam o lado humano da dúvida. Tomé, no 2º Domingo, é apresentado como o discípulo que duvida do kerigma dos Apóstolos. Os discípulos de Emaús, no 3º Domingo, caminham envolvidos na dúvida. Tomé exige provas e os discípulos de Emaús colocam interrogações. Jesus resolve o tema da dúvida com as aparições. Aparece para comprovar que ele estava vivo, ressuscitado: conversa, impõem as mãos, sopra, faz refeição, caminha, convive com os discípulos e discípulas. O tempo das aparições terminou com provas suficientes para testemunhar que verdadeiramente o senhor ressuscitou.


Os três primeiros Domingos do Tempo Pascal, Domingo da Páscoa incluso, têm uma finalidade prática: reforçar o anúncio da ressurreição de Jesus para confirmar que verdadeiramente Jesus ressuscitou.


Os Domingos depois das aparições
O Tempo Pascal continua com três Domingos propondo como viver a fé na ressurreição de Jesus. As propostas consideram: passar pela porta aberta pelo Bom Pastor (4DTP-A), fundamentar a vida pessoal e a vida da comunidade na pedra angular, Jesus Cristo, tornando Jesus o Caminho, a Verdade e a Vida (5DTP-A) e insistir na necessidade de perseverar na fé, que acontece pelo acolhimento do Espírito Santo, que Jesus denomina como Defensor (6DTP-A).


4º Domingo da Páscoa - A
Depois da insistência no kerigma da ressurreição, a pedagogia mistagógica do Tempo Pascal pede aos celebrantes para abrir os ouvidos e ouvir a voz do Bom Pastor. 4º Domingo da Páscoa, Domingo do Bom Pastor. O contexto da proposta celebrativa do SAL destaca o tema da PORTA. Ouvir a voz do Bom Pastor e passar pela porta para ingressar no rebanho do Bom Pastor. A 1ª leitura propõe três atitudes para passar pela porta e ingressar na Igreja rebanho do Bom Pastor: a necessidade do arrependimento, a conversão e o Batismo. E, antes de chegar ao Batismo, existem três passos: ouvir a voz do Bom Pastor, aceitar o convite para segui-lo e ingressar no rebanho (discipulado).


5º Domingo da Páscoa - A
Um vez que somos acolhidos na Igreja rebanho do Bom Pastor, o 5DTP-A celebra o compromisso existencial chamando atenção para duas atitudes e dois comportamentos: o testemunho pela pregação do kerigma e, o segundo comportamento, o testemunho da ressurreição pela diaconia aos pobres, com obras marcadas pela caridade fraterna. Estes dois comportamentos somente só possíveis se a vida estiver fundamentada na pedra angular, Jesus Cristo, se a vida for vivenciada fazendo do Evangelho o Caminho a ser caminhado, a Verdade que se crê e a Vida que se vive.


6º Domingo da Páscoa - A
Depois, no 6DTP-A, celebra-se o terceiro Domingo do compromisso da fé na ressurreição de Jesus. Com o 6DTP-A, na proposta celebrativa do SAL, a importância e a necessidade da perseverança na fé. No contexto mistagógico, que estamos propondo, os celebrantes são introduzidos, incentivados e conscientizados sobre a importância da perseverança da fé. Perseverar na fé que Jesus ressuscitou cultivando constantemente a fé, acolhendo o Espírito Santo para não se deixar levar pelo espírito do mundo, mas ser conduzido pelo Espírito Santo, o Defensor. Neste 6DTP-A, a Liturgia começa a noticiar a importância e a necessidade do Espírito Santo para se manter firme e perseverante na fé que verdadeiramente o Senhor ressuscitou.


Domingos do envio missionário: Ascensão e Pentecostes
Em continuidade ao contexto mistagógico do Tempo Pascal de 2023, os dois últimos Domingos Pascais — Ascensão e Pentecostes — podem ser denominados "Domingos missionários". Domingos nos quais Jesus envia sua Igreja em missão evangelizadora.


Ascensão de Jesus
Para o Domingo da Ascensão Jesus, o contexto mistagógico que propomos no SAL, considera três condições para evangelizar: a fé que verdadeiramente Jesus ressuscitou — insistência em todos os Domingos da Páscoa — o acolhimento obediente da Palavra de Jesus — 4DTP-A — e, o terceiro elemento, desta vez um elemento novo: a adoração; uma condição básica para ser enviado como evangelizador. Adoramos somente a Deus. Quando a Igreja se prostra em adoração diante de Jesus, reconhece que ele é verdadeiramente Deus. Por esse fato? Porque no Evangelho da Ascensão, volta a aparecer o mesmo tema presente nos três primeiros Domingos da Páscoa: a dúvida. Quem duvida não pode evangelizar.


Pentecostes
E, por fim, em continuidade com o contexto mistagógico, a proposta celebrativa do SAL propõe celebrar o dom do Espírito Santo como a origem e o amálgama da sinodalidade da Igreja em vista do testemunho evangelizador que verdadeiramente o Senhor ressuscitou. Pentecostes é o ícone da sinodalidade da Igreja, compreensível nas duas leituras. Pentecostes apresenta também o fundamento da sinodalidade: o Espírito Santo, que não atua na uniformidade, mas sempre em favor da unidade na diversidade.


Juntamente com a Ascensão, a Liturgia de Pentecostes tem característica missionária. Está presente no Evangelho: “Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. No contexto mistagógico, iluminado pela sinodalidade, a evangelização não acontece pela uniformidade, mas pela diversidade de línguas (1L) e diversidade de membros (2L). A evangelização, obra do Espírito Santo, que fala todas as linguas e, no Corpo Místico de Cristo, usa todos os membros para confirmar: verdadeiramente o senhor ressuscitou!

 

Bom Tempo Pascal! 
Serginho Valle 
Abril de 2023

 

 

Download
VOLTAR